Fellows Instituto Four

Alied Monica



Alied sempre teve como foco a luta pela diversidade e representatividade feminina. E está construindo uma vida profissional muito apoiada neste pilar.



Ela nasceu no Peru e se mudou para o Brasil ainda muito jovem. No seu Ensino Médio, ela foi bolsista em um colégio particular, onde iniciou uma trajetória de destaque, tanto em suas notas, quanto na participação de competições e grupos de estudo. Em 2015, Alied iniciou sua graduação, cursando Administração, na Universidade de São Paulo.



Durante a graduação, Alied se envolveu em vários projetos e estágios, sempre mantendo seu destaque acadêmico. Ainda no primeiro ano de graduação, ela iniciou sua participação na Liga de Mercado Financeiro da FEA-USP. Na graduação participou de vários movimentos e organizações.



Ela atuou como voluntária em uma ONG que tinha o objetivo de realizar os sonhos de crianças em situação de vulnerabilidade. Também foi professora voluntária de inglês, dentro de um projeto que atuava com crianças de comunidades.



Atuou na Brasil Cursinhos, organização que busca transformar os sonhos de jovens de baixa renda em realidade ao facilitar o acesso no ensino superior de qualidade, e formar universitários voluntários em líderes capazes de transformar o futuro do Brasil através da educação.



Foi uma das fundadoras da Empresa Júnior FEA Finance. Dentro da Empresa Júnior, Alied atuou na realização de planejamento estratégico, estruturação de áreas, prospecção de instituições financeiras, e também na realização e organização da 1ª edição do Dive in Diversity, em evento, que tem como objetivo ser a semana de diversidade (dia de mulheres, negros e LGBTI+) na FEA USP. Este evento contou com participação do Goldman Sachs, Bloomberg, AT Kearney, McKinsey e Fundação Lemann.



Dentro da Liga ela desenvolveu projetos dentro do Bank of America Merril Lynch e também na Empiricus. Ela estagiou nas duas organizações depois. Também realizou um summer intern na área de Equity research na Brasil Plural



Em 2018, Alied, que se destacava tanto academicamente, quanto através da quantidade de coisas que já havia construído na sua trajetória, participou do ProLíder. Dentro do programa, ela desenvolveu um empreendimento que buscava trabalhar soft skills em mulheres no início de suas carreiras, com o objetivo de aumentar a representatividade feminina no mercado de trabalho.