Fellows Instituto Four

Gabrielle Rodrigues



Às vezes, imagens falam mais do que palavras para Gabrielle. Ela gosta de tirar fotos conceituais, registrando, não a imagem simplesmente, mas os sentimentos que emanam dela.



Um de seus registros marcantes foi feito na Suécia, lugar que conheceu por ter ganhado o Inovathon Scania, uma maratona de inovação realizada pela Scania, em 2018, uma experiência incrível, sem sombra de dúvidas, para quem ainda estava na graduação.



Praticante de Jiu-jitsu, Gabrielle é lutadora no esporte e na vida. Nasceu mulher e negra em uma sociedade predominantemente patriarcal e racista. Não é difícil imaginar o quanto de bullying sofreu em sua infância. Porém, conforme ela mesma disse certa vez, “virou gente” depois que entrou para a faculdade; tomou a decisão de ser protagonista da própria história.



Em 2015, entrou para o curso de Engenharia de Produção na Universidade de Brasília (UnB), onde participou de projetos de extensão voltados para questões sociais. Um deles é o Meninas Velozes, do qual fez parte em 2018/2019, que buscava estimular meninas de escolas públicas do ensino médio a seguir carreiras nas áreas voltadas para as ciências exatas, onde pôde auxiliar através de oficinas, nas quais apresentava vários conceitos de sua área de estudo. No Litro de Luz, projeto que leva iluminação a comunidades sem acesso a energia elétrica, cuidou da parte financeira. Antes de atuar nesses dois projetos, atuou também, em 2016, no Amun Kids, projeto do Instituto de Relações Internacionais da UnB que tem como objetivo desenvolver, em crianças em escolas de baixa renda, o pensamento crítico acerca de sua capacidade transformadora como ser humano e como cidadão, disseminando os conceitos da ONU.



Nesse período de faculdade, foi estagiária de algumas empresas, como a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII), em 2018, onde atuou por pouco mais de um ano com indicadores e projetos de Unidades EMBRAPII, além de mapeamentos de processos e criação de POPs, e a Google, onde, em 2019, atuou por seis meses em iniciativas estratégicas de Marketing Performance Ads para grandes empresas, estágio do qual guarda boas recordações e pelo qual tem muito carinho.



Nesse mesmo ano de estágio na Google, entrou para o ProLíder para fazer diferença e ocupar os espaços de liderança que ainda são majoritariamente masculinos. Cofundou a Edumi, que oferece aos jovens um programa educacional gratuito, envolvendo mentorias e capacitação de habilidades para o mercado de trabalho de tecnologia, a qual, embora não tenha sido criado no ProLíder, tornou-se possível por causa dele.



Atualmente, além de cuidar do futuro de outros jovens, como ela, na Edumi, ela conseguiu atingir um de seus objetivos para 2020, que era trabalhar com análise de dados, o que conseguiu no iFood. Assim, não é difícil perceber o protagonismo de alguém que não apenas deseja, mas planeja e coloca em prática suas aspirações. Tantas realizações merecem muitos mais fotos!