Fellows Instituto Four

Jadson De Jesus



Jadson foi uma criança precoce, em relação ao aprendizado. Ele foi para a escola com 2 anos de idade, com a mãe, aprendeu a ler aos 3 anos e a escrever, com 4. Sua família esteve sempre muito presente, acompanhando a vida dele bem de perto.



Esse suporte, além de conferir ao Jadson um caráter de uma pessoa confiante, fez despertar nele uma paixão muito grande pelos estudos. Isso o fez se destacar na escola onde estudava e a buscar conhecimento. Os estudos proporcionaram a ele um intercâmbio, na Alemanha, como Jovem Embaixador, que rendeu também uma visita técnica a uma fábrica de automóveis. Lá na escola, também foi iniciado no ramo de pesquisa; ficou encantado com essa possibilidade. No campo de línguas estrangeiras, aprendeu inglês sozinho, e segue o mesmo caminho para aprender espanhol. Se dois verbos pudessem descrever Jadson, seriam “estudar” e “compartilhar”, que é outro prazer dele; ele ama compartilhar conhecimento.



De volta do intercâmbio, tentou aplicar para um programa de estudantes de baixa renda, nos Estados Unidos, mas não conseguiu.



Persistente, Jadson agarrou todas as oportunidades que surgiam ao longo de sua vida e, como grande parte dos jovens, desejava entrar para uma boa faculdade e ser um grande profissional. Estudar para passar no vestibular não seria um problema para ele. Cursando mecânica industrial no Instituto Federal da Bahia, tentou vestibular para Engenharia Mecânica e passou. Então, foi trabalhar em um aeroporto durante o dia para estudar à noite. A semente da pesquisa científica tinha sido plantada no Ensino Médio Técnico; ele desejava muito pesquisar, mas o perfil do estudante noturno não era compatível com a rotina dos trabalhadores que estudavam à noite; o tempo curto e o cansaço ganhavam sempre nessa queda de braço.



Nesse cenário, embora estivesse tudo certo com ele e sua família, que tinha muito orgulho de suas conquistas e sempre o apoiou, ele não imaginava que todo esse apoio não seria suficiente para que ele alcançasse seu objetivo. Além do cansaço de um dia de trabalho, a violência urbana que enfrentava todos os dias tentava cavar um abismo no caminho de Jadson, mas ele decidiu construir uma ponte, de quase dois mil quilômetros. Tomou a difícil decisão de sair de sua terra natal, em Salvador, deixar o seio de sua família, para continuar estudando Engenharia Mecânica no Insper, em São Paulo, uma das melhores instituições do país, com bolsa. Ali conheceu Lucas Leal, Head do Instituto Four, com quem iniciou uma amizade e conheceu o ProLíder.



Em São Paulo foi como se um mundo de possibilidades se abrisse bem diante dos olhos dele. Se, em Salvador, ele precisava buscar o que fazer; em Sampa, precisava filtrar para não se perder em meio a tantas oportunidades. Embora longe de suas origens, Jadson estava “em casa”, podia estudar e pesquisar, como queria.