Fellows Instituto Four

Milena Santos



Milena Santos é uma jovem paulista bastante dedicada aos estudos, desde menina.



Estudou em boas escolas, teve apoio da família, mas, muito cedo, como tantas outras pessoas como ela, experimentou o sabor amargo de nascer negra em um país racista.



Sempre foi difícil entender o porquê de a cor de sua pele ser motivo para tanto ódio, deboche e tudo o que acompanha esses atos. Não foi, e não é fácil. Calar-se não era a melhor atitude a tomar, então, ela descobriu nos estudos a sua arma de luta.



Muitos poderiam ser os caminhos escolhidos por ela, diante dessa dura realidade. Ela preferiu a leveza de entender e buscar, como ouro, o que realmente importa, que é ter as pessoas que ama por perto e ter uma luta realmente relevante. Assim, tratou de viver sua vida da melhor maneira possível e estudar para ocupar os espaços que são também seus por direito.



Terminado o Ensino Médio, prestou vestibular para estudar Ciências Sociais na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), em 2015. Trabalhou um tempo na Universidade, mas pediu demissão para poder se dedicar ao Mestrado, pois viu na pesquisa um caminho importante para sua luta. Entrou no Mestrado em Demografia, na UNICAMP, momento em que conheceu o programa ProLíder e se inscreveu.



No Programa, teve a oportunidade de ter formação com Frei Davi, que a impactou bastante ao falar do racismo estrutural instalado no país; aguçou ainda mais sua vontade de lutar. Conheceu outras pessoas envolvidas nas questões antirraciais; saiu de lá com mais perguntas do que respostas. Decidiu não seguir o caminho do empreendedorismo, mas não desistiu dos estudos.

Com a bagagem que adquiriu, entrou para o Doutorado em Demografia, também na Unicamp, e, como parte do Comitê Gestor do Pacto Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, da Cultura da Paz e dos Direitos Humanos, na mesma Universidade, que tem a responsabilidade de pensar políticas e projetos que promovam a discussão e garantia dos Direitos Humanos dentro e fora da Unicamp, ela participou da coordenação do comitê de heteroidentificação e, além de ter ajudado a implantar o sistema de cotas raciais na Universidade, atualmente coordena um grupo de estudos criado por ela que discute raça, desigualdade e demografia.

Para o futuro, Milena tem construído um caminho que deseja que culmine na carreira de Diplomacia.